Extra Sinfac RS – Tribunal decide: sacado que confirma, paga!

0
26

Julgado no final do mês de maio, o TJRS firmou posição em demanda envolvendo uma empresa de fomento mercantil, que obteve, no caso concreto, a confirmação do sacado da duplicata que, posteriormente, alegou a devolução das mercadorias e apresentou a baixa dos protestos, emitida diretamente pelo cedente.

Esta versão não convenceu o Judiciário, que entendeu ser inoponível à factoring a reclamação, feita após a  anuência do sacado.

Vejamos a Ementa:

Ação monitória. Cessão de crédito. Notificação. Ciência e anuência do devedor. Falta de pagamento. Protesto. Condenação solidária.

É inoponível à factoring como credora cessionária, depois da anuência da devedora com a cessão, a renegociação entre o cedente como vendedor da mercadoria e a devedora como adquirente.

Feita a cessão do crédito, cientificado o devedor da cessão, que anuiu com a cessão, não podem mais as partes originárias da compra e venda mercantil recondicionar o negócio primitivo em detrimento da cessão de crédito.

Os demandados respondem solidariamente ao pagamento.    Apel. 70077029452 Des. Carlos Cini Marchionatti (RELATOR)”

Vale a leitura de parte do voto do Relator, captou muito bem o caso concreto:

·         “A partir da notificação, ciência e anuência da demandada em admitir dever e saber que os pagamentos deveriam ser realizados à demandante qualquer ato realizado após essa data, se não tratado diretamente com a demandante, ora credora, não são relevantes a saldar a dívida existente, tornando os protestos válidos.

·         É inoponível à factoring como credora cessionária, depois da anuência da devedora com a cessão, a renegociação entre o cedente como vendedor da mercadoria e a devedora como adquirente.

·         Feita a cessão do crédito, cientificado o devedor da cessão, que anuiu com a cessão, não podem mais as partes originárias da compra e venda mercantil, recondicionar o negócio primitivo em detrimento da cessão de crédito.

·         O devedor responde ao cessionário, e tem reembolso junto ao credor cedente.   

·         A alegação de devolução das mercadorias é inoponível,  e conta com mera declaração do credor primitivo, depois de ter procedido à cessão onerosa. 

·         Assim, as declaração da folha 60 feita por xxxxxxxxxxx datada de 7-10-2008, não tem resultado algum perante o cessionário e o tabelionato de protesto de Porto Alegre, assim como a declaração da folha 61, datada de 16-12-2008, em que a xxxxxxxxxxxxxxxxx alega ter recebido a mercadoria da Sultech, também é posterior à cessão ocorrida em 13-6-2008 (fls. 20-24).

·         A presente ação deve ser julgada procedente, as demandadas xxxxxxxxx e xxxxxxxxxxxx devem responder solidariamente o débito.”

 
Obraram no processo, como patronos da empresa de fomento, os já renomados advogados Juarez Marchet e Lasier Bertoluz.

Integra do Julgado em www.tjrs.jus.br

Fonte: Alexandre Fuchs das Neves é advogado e consultor jurídico do SINFAC-SP – Sindicato das Sociedades de Fomento Mercantil Factoring do Estado de São Paulo e SINFAC/RS – Sindicato das Sociedades de Fomento Mercantil Factoring do Estado do Rio Grande do Sul.